Presidente Lula viaja para a África do Sul para participar da 15ª cúpula do Brics

Grupo deve discutir a adesão de novos integrantes

Lula participa da Cúpula do Brics, realizada em Joanesburgo, de 22 a 24 de agosto. (José Cruz/ Agência Brasil)

Lula participa da Cúpula do Brics, realizada em Joanesburgo, de 22 a 24 de agosto. (José Cruz/ Agência Brasil)

O presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participará nesta semana da 15ª cúpula do Brics - grupo formado por Brasil,  Rússia, Índia, China e a própria Ãfrica do Sul. O evento será realizada em Joanesburgo, de 22 a 24 de agosto. 

Em seu perfil nas redes sociais, antes da viagem, o petista comentou sobre o encontro. "Hoje viajo para Joanesburgo, onde participo do 15º Encontro dos BRICS. Participei da criação desse importante bloco e volto para sua 15ª reunião entusiasmado com o potencial do Brasil no seu retorno ao cenário internacional. É fundamental a cooperação entre os países do Sul Global no enfrentamento das desigualdades, da crise climática e por um mundo mais equilibrado e justo. Bom domingo a todos", escreveu. 

Um dos assuntos discutidos pelo grupo será a adesão de novos integrantes. Atualmente, não há um procedimento regular e normatizado para solicitar admissão ao grupo - o que pode ser definido na cúpula em Joanesburgo.

Os países que já manifestaram interesse são: 

  • Arábia Saudita
  • Argélia
  • Argentina
  • Bahrein
  • Bangladesh
  • Belarus
  • Bolívia
  • Cazaquistão
  • Cuba
  • Egito
  • Emirados Árabes Unidos
  • Etiópia
  • Honduras
  • Indonésia
  • Irã
  • Kuwait
  • Marrocos
  • México
  • Nigéria
  • Palestina
  • Senegal
  • Tailândia
  • Venezuela
  • Vietnã

Além de Lula, o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa; o presidente chinês, Xi Jinping; e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, são esperados na cúpula. 

Por causa do risco de ser preso pelo Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra contra a Ucrânia, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, não irá à África do Sul. Ele enviará o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, para representar o país de forma presencial.