Homem quase perde a vida ao tentar tirar pelo encravado da virilha

Steven Spinale foi acometido por uma grave infecção sanguínea após tentar extrair um pelo encravado na região da virilha

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Recentemente, um acontecimento fora do comum no estado da Louisiana, nos Estados Unidos, atraiu a atenção da imprensa e das plataformas online.

Steven Spinale foi acometido por uma grave infecção sanguínea após tentar extrair um pelo encravado na região da virilha, resultando em um estado comatoso e sendo diagnosticado como morte encefálica pelos profissionais da saúde.

A narrativa foi compartilhada por Michelle, irmã de Steven Spinale. De acordo com ela, tudo teve início quando ele recebeu o diagnóstico de sepse após contrair uma infecção no final do ano passado. Neste mês, Michelle publicou vídeos detalhando o sofrimento de Steven, que já contam com 20 milhões de visualizações.

A sepse, também conhecida como infecção generalizada, é uma condição grave relacionada à resposta imunológica do organismo a uma infecção. Chamada de "assassino silencioso", ela pode causar uma sequência rápida de complicações com risco de vida, como falha de órgãos e, se não receber tratamento imediato, levar à morte.


Diante das complicações no estado de saúde do paciente, como coágulos sanguíneos, pneumonia, falência de órgãos e síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA), os profissionais de saúde optaram por induzir um coma em Steven com o objetivo de facilitar a recuperação do seu corpo, conforme noticiado pelo "Daily Mail".

Segundo Michelle, os profissionais de saúde diagnosticaram que ele estava com morte cerebral e previram apenas 4% de chance de sobrevivência.

Contudo, após um mês de diversos procedimentos médicos, Steven finalmente saiu do estado de coma sem qualquer dano cerebral, conseguindo se recuperar quase por completo da situação difícil causada por um pelo encravado. A sepse é responsável por ser a terceira maior causa de óbito em hospitais nos Estados Unidos, levando a vida de aproximadamente 270 mil pessoas anualmente.

Fonte: Diário Online